It would be great if you could support us with a small donation.
It might not be much for you, but it would help us providing more and better interviews in the future.
With a little bit of your support we might be able to realize even more!


One year after their last mini album, JILUKA are back with their new mini album IDOLA, presenting you a parallel world with the choices that were’t pursued in XTOPIA. If you want to know more about XTOPIA, please check out our previous interview with them! Read it here.
IDOLA is a powerful and strong mini album with agressive songs that are perfect for concerts!


Muito obrigado por fazerem outra entrevista conosco. Depois de ouvir SUZAKU, que foi lançada antes do lançamento do mini álbum, nós ficamos muito ansiosos para poder ouvir o restante das músicas.

Nós notamos algumas semelhanças nas letras. Por exemplo, a palavra “luz das estrelas” em KUMARI e “lua”, “sol”, “claridade” e “escuridão” em Eclipse. Além disso, as palavras “quebrar” e “ascender” em SUZAKU e “avançar” e “voar para fora” em BaLa-DeDa. Essas músicas são conectadas de algum modo?

Sena: A conexão entre as músicas é que elas são sobre superar e acordar do mundo distópico de IDOLA.

Ricko (Vo.)

Procuramos pelo significado de IDOLA, que é o plural de “idolum”. “Idolum” significa uma “imagem insubstancial” ou uma “falácia” e vem da palavra em latim para “aparição” ou “ídolo religioso”. Nós também notamos temas religiosos em suas músicas. O elemento mais notável é o coro direto na introdução e no começo de KUMARI. O título da música, KUMARI, também é algo religioso. Até mesmo as roupas do Zyean lembram a vestimenta de um padre. Vocês podem nos dizer por que escolheram esses elementos?

Sena: Apesar de haver partes que se entrelaçam com a realidade, o mundo de IDOLA não é um retrato real da realidade, é simplesmente uma imagem daquilo. E também, KUMARI ou PRG : KMR são partes do mundo de IDOLA.

Além disso, a letra de KUMARI inclui elementos religiosos como “silêncio sagrado”, “Você é Deus, obedeça as regras” e “Eu não sou seu Deus, eu não sou Deus”. A música parece ser contra a idolatria. Isso tem a ver apenas com a religião ou também com vocês, sendo artistas com muito fãs?

Sena: A conotação religiosa não foi de maneira intencional, era apenas para expressar a história do mundo único de IDOLA.

IDOLA é o mundo paralelo a XTOPIA. Enquanto XTOPIA está em um lugar de utopia, IDOLA lida com a distopia. Apesar das músicas apresentarem muito sofrimento, a mensagem parece ser sobre conseguir sair da distopia. O mundo atualmente se encontra em uma situação difícil. IDOLA foi o jeito de vocês lidarem com a situação atual?

Sena: Em termos de sofrimento, IDOLA realmente se entrelaça com o mundo real. Talvez tenha sido o nosso jeito de nos livrarmos disso.

A música Eclipse é praticamente toda em inglês, mas também há algumas partes em japonês, enquanto que BaLa-DeDa é uma mistura, até mesmo entre as próprias frases. Por que vocês decidiram misturar tanto o idioma nessa música?

Sena: É o resultado das nuances que essa música necessitou.

A capa do álbum IDOLA é a primeira de suas capas a incluir apenas as cores preto e branco. Isso também tem a ver com o balanceamento entre claridade e escuridão?

Sena: Está relacionado à história que acontece em IDOLA.

Boogie (Ba.)
Sena (Gt.)

O álbum IDOLA é bastante agressivo. Os instrumentos são incrivelmente rápidos e os gritos e rugidos são muito intensos. Houve algum momento durante a gravação que vocês chegaram ao limite?

Ricko: Bem no começo da música KUMARI, eu expressei um som que foi muito além do que uma voz é e precisei aumentar minha voz até chegar ao meu limite.

Sena: Houve um incidente em que meus dedos sangraram durante o solo de guitarra de Ablaze. Realmente deu para mostrar a luta contra a morte no último capítulo da história.

Boogie: A pele dos meus dedos descascaram.

Zyean: Houve uma certa agressividade em tocar a KUMARI. Principalmente no desenvolvimento complicado e inteligente da música e as partes em que a bateria é rápida testaram os meus limites. Mas as outras músicas têm muitas partes que criei intuitivamente. 

Enquanto ouvíamos o álbum, particularmente pensamos que BaLa-Deda se destaca um pouco. A mistura entre diferentes gêneros nela é muito interessante e estamos curiosos para ver que tipo de ambientação a música irá criar quando for tocada ao vivo. Vocês podem nos dizer as suas músicas preferidas do álbum?

Ricko: Eu poderia recomendar todas, mas recomendo a KUMARI.

Sena: PRG : KRM é uma música que eu criei que é uma mistura de muitas imagens diferentes mescladas em uma história. Eu me apeguei muito a essa música.

Boogie: Ablaze.

Zyean: Eu gostei de todas, que sinceramente não consigo escolher uma. Eu também gostei muito de BaLa-DeDa. Quando fizemos essa música, eu tive bastante dificuldade em pensar nas partes para a bateria e demorou bastante para terminá-la. É uma música com um afeto emocional muito grande, não é?

Qual parte de produzir música que vocês mais gostam e menos gostam?

Ricko: Eu adoro que posso chegar até o meu limite independente do tempo. E eu detesto que chego ao meu limite e no outro dia não consigo nem me levantar (risos).

Sena: Eu gosto de poder expressar minhas próprias imagens, me dedicando ao trabalho como se estivesse trabalhando na produção de um filme. Eu não gosto que o trabalho seja como se fosse um mar profundo, enquanto se tenta permanecer no lugar, você não consegue andar livremente mais (risos).

Boogie: Eu gosto de pensar nas partes das músicas e na composição delas, e odeio quando o computador não funciona direito.

Zyean: O que eu mais gosto sobre o período de criação é que eu posso confrontar a bateria de maneira sincera, ou o sentimento incrível de liberar o que está dentro de mim para o mundo. Sempre me dá uma sensação de euforia. Acho que o que eu não gosto é que eu acabo desejando que o tempo fosse infinito (risos).

Zyean (Dr.)

Qual é a primeira coisa que vocês fazem depois de terminar um single ou álbum?

Ricko: Primeiramente eu vou querer comer algo delicioso.

Sena: Eu faço um evento imaginário de DJ em que nossos fãs escutam as músicas.

Boogie: Eu durmo um monte.

Zyean: Eu fico muito feliz e bebo bastante do meu amado álcool.

E por último, quais são as suas expectativas para o mini álbum? Há algum objetivo que vocês gostariam de atingir com este mini álbum?

Ricko: Nós apresentaremos o IDOLA durante a nossa turnê, e no momento meu objetivo é animar as pessoas que forem nos ver e nos dar suporte.

Sena: Eu fico satisfeito que fomos capazes de criar algo tão significativo. Eu quero que muitas pessoas possam ouvir.

Boogie: Eu quero que várias pessoas no mundo inteiro ouçam.

Zyean: É um trabalho que irá fazer uma versão atualizada do JILUKA, e eu estou orgulhoso da qualidade altíssima do álbum. Me deixa muito feliz que este álbum será escutado por pessoas do mundo inteiro. Nós novamente queremos trair a expectativa de nosso fãs, com boas intenções, e almejar por algo ainda maior, então por favor continuem nos dando seu apoio!

Interview: Chris
Translator: Gabriel Azevedo

JILUKA OFFICIALJILUKA OFFICIAL TWITTER
SpotifyApple Music

It would be great if you could support us with a small donation.
It might not be much for you, but it would help us providing more and better interviews in the future.
With a little bit of your support we might be able to realize even more!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s