It would be great if you could support us with a small donation.
It might not be much for you, but it would help us providing more and better interviews in the future.
With a little bit of your support we might be able to realize even more!


First an introduction interview, then a new release interview, and now also a live report about JILUKA! And let me tell you, this shit is hot! We had headbanging!



No dia 5 de dezembro, a banda JILUKA realizou a final de sua turnê THE SYNERGY no Shibuya VEATS. A turnê começou no começo de setembro, e eles tocaram na maioria das cidades grandes do Japão.

JILUKA é uma das poucas bandas que ativamente interagem com seus fãs do exterior. Seu visual extravagante claramente os fazem ser parte do cenário visual kei, mas sua sonoridade pode facilmente ser classificada como do gênero metal, também. E sendo assim, eles servem como uma espécie de ponte entre o metal e o visual kei.

O show começou com a música KUMARI, que foi lançada em seu último álbum IDOLA. Se você tiver interesse em saber sobre o álbum, por favor veja a nossa entrevista com eles (clique aqui)!. A música não serviu de aquecimento para os fãs, a agressividade e batidas poderosas demandou tudo da audiência desde o início. Um headbanging agressivo acontecia de todos os lados — os fãs estavam dando o seu melhor. A iluminação ampliava a atmosfera sendo mais escura durante as partes mais intensas e mais clara durante a parte em que o Ricko (vocal) cantava de maneira melódica. Durante a música Ajna, Ricko apontou para sua cabeça, silenciosamente pedindo para que até mesmo a última pessoa do local se juntasse ao headbanging. Raison d’etre possui um ritmo mais lento comparado às outras músicas, mas devido à sua presença intensa, os fãs também não descansaram nem por um segundo sequer, e continuaram a bater palmas ou a pular juntos com o Boogie (baixo).

Ricko (Vo.)

Após a música, o Ricko agradeceu a todos por terem comparecido. Ele comentou que aquela noite seria uma a qual os fãs jamais iriam se esquecer e perguntou, com um sorriso maléfico, se todos poderiam acompanhar: “Vocês podem? Vocês conseguem?” E então continuaram com a Eclipse. Os fãs imediatamente começaram a bater palmas com o ritmo e o Zyean (bateria) se levantou de sua cadeira para olhar melhor a audiência. O show continuou estrondoso como havia começado e apesar do ritmo rápido das músicas, o Sena (guitarra) apenas tirou os olhos dos fãs quando ele tinha um riff muito complicado para tocar em sua guitarra. Em qualquer outro momento ele estava flertando com os fãs na frente dele, sorrindo e piscando os olhos enquanto graciosamente tocava sua guitarra. Quando eles chegaram na Flux, nós percebemos que não é possível notar o quão rápido uma música é até vê-la ser tocada ao vivo. A velocidade em que o Zyean, Boogie e Sena tocavam seus instrumentos era demais!

Sena (Gt.)

Apesar do JILUKA ser conhecido praticamente apenas pela sua sonoridade de metal, eles também combinam essa sonoridade com elementos de outros gêneros, como o Hip Hop, por exemplo. MAD e BaLa-DeDa são duas músicas que contém tais elementos, e elas trazem uma boa variedade para o show. Enquanto o Ricko e o Boogie se mexiam ao ritmo da batida, Sena estava no microfone, cantando junto. A última música antes do encore foi Ablaze (extended ver.). O palco estava banhado em uma luz dourada, que rapidamente fez com o ambiente agressivo se tornasse um mais calmo. E então tudo ficou escuro, e o Ricko gritou “Muito obrigado” e saiu do palco, seguido dos outros membros.

Depois de voltarem ao palco, eles tocaram a ZONE, escolhendo outra música bastante forte. Comparado ao ato principal, eles estavam agindo meus livremente durante o encore. O Ricko correu até o Sena para ficar bem perto dele, e o Sena retribuiu com um sorriso e continuou a tocar sua guitarra. Depois disso, o Sena e o Boogie trocaram de posição e foram recepcionados de maneira calorosa pelos fãs que estavam de frente.

Boogie (Ba.)

Quando a música acabou, a banda aproveitou a ocasião para conversar um pouco com a audiência. Todos os integrantes compartilharam suas percepções sobre a turnê e agradeceram aos fãs, pessoas relacionadas à banda e aos outros integrantes pelo apoio. O Boogie também mencionou que as pessoas usam a expressão “para sempre” de maneira muito casual. Os fãs, por exemplo, dizem que vão ser fãs para sempre, mas aí um dia somem e você fica se perguntando onde é que eles foram. Talvez não era para ser para sempre, apesar que ele se perguntou se esses mesmos fãs ainda estariam ali se eles tivessem se esforçado mais como uma banda. No entanto, ele afirmou que pretende continuar tocando com o JILUKA para sempre e que ele é honesto em relação a isso. Ele compartilhou pensamentos muito profundos com a audiência, o que por sorte não atrapalhou em nada o humor da audiência. O Sena comentou que alguns de seus shows foram bem curtos durante a turnê, então eles queriam estender o final um pouquinho para compensar por isso. Ele então comentou sobre o significado de IDOLA para a banda. Foi um álbum terminado durante a turnê, mas ele queria que a visão sobre IDOLA fosse destruída no final para que eles pudessem seguir em frente. Ele afirmou estar muito satisfeito em como as músicas foram se desenvolvendo ao longo da turnê e que estava feliz com a banda alcançar seu objetivo. Depois que o Sena terminou de falar, o Ricko novamente sorriu de maneira maléfica e perguntou: “Vamos fazer uma boa? Sem pensar no amanhã e que provavelmente não vamos conseguir andar amanhã? Vamos??” Obviamente foi uma pergunta retórica – mas é claro! E os primeiros acordes de Last Faith eram tocados no local. Eles continuaram com a Obliterator, que era para ter sido sua última música. Após isso, Boogie, Zyean e o Sena tocaram seus instrumentos; o Ricko foi atrás do Sena e o abraçou, também tocando em sua guitarra. Quando ele voltou ao centro do palco, ele pediu para que as pessoas esperassem. “Eu ainda estou animado, podemos fazer mais uma?” Claro que eles aceitaram, e a última música então foi a Ultra B.A.L.U.S, forçando com que cada fã ali presente pudesse dar o seu melhor uma última vez.

Zyean (Dr.)

O JILUKA acertar em cheio com o meu gosto musical obviamente significa que não havia maneira de não curtir muito esse show. A música deles é feita para ir à loucura durante os shows, e a transição de uma música para a outra é apenas incrível. Eles souberam escolher bons momentos para fazer pausas entre as músicas. Devido à falta de alguma música que fosse uma balada, essas pausas com certeza foram necessárias. No geral, foi um show de muito sucesso e nós recomendamos muito ter essa experiência ao vivo com eles caso você não tenha tido.

Eles anunciaram três grandes coisas para o futuro próximo: The MAD PIT FES 2022, um festival organizado pelo JILUKA, que irá contar com bandas de metal e visual kei; uma turnê junta com o Leetspeak Monsters, e um lançamento em DVD do THE SYNERGY tour final at Shibuya VEATS. Então para quem estava com curiosidade sobre um show ao vivo do JILUKA, vocês teram a chance de ver como é! O DVD será lançado em março, então não percam!

Report: Jenny
Translation: Gabriel Azevedo

JILUKA OFFICIALJILUKA OFFICIAL TWITTER
SpotifyAPPLE MUSIC

It would be great if you could support us with a small donation.
It might not be much for you, but it would help us providing more and better interviews in the future.
With a little bit of your support we might be able to realize even more!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s