Photo: Lestat C&M Project

It would be great if you could support us with a small donation.
It might not be much for you, but it would help us providing more and better interviews in the future.
With a little bit of your support we might be able to realize even more!

Finally, a show where JILUKA were able to show what they are made of! Without most of the corona regulations, they were finally able to go in hard again- and that’s definitely what they did!



Depois que o JILUKA surpreendeu suas fãs com seu single BLVCK, que marcou o começo da era de Eletronic Gothic Metal da banda, eles continuaram pegando pesado esse ano, lançando um novo single digital chamado OVERKILL, dia 8 de março. Para comemorar o lançamento do novo single, a banda fez um show one-man no dia 10 de março, no Shibuya Kaikan, em Tóquio.

O show one-man teve uma ótima recepção, com fãs preenchendo o espaço do front até a porta dos fundos. Assim que as cortinas vermelhas caíram, o palco ficou banhado em uma mistura de luzes vermelhas e azuis, e os membros entraram um por um: primeiro o baterista, Zyean, o baixista, Boogie, o guitarrista, Sena, e, por fim, o vocalista, Ricko; todos sendo recebidos entusiasmadamente pelas fãs, que gritavam seus nomes o mais alto que conseguiam. “Bem, vamos começar, certo?” Ricko respondeu aos gritos das fãs, e JILUKA imediatamente começou tocando a música perfeita para iniciar a noite: o single mais recente da banda, OVERKILL. Cabelos esvoaçavam na audiência enquanto Ricko mostrava suas habilidades com seus guturais. Tanto a banda quanto as fãs estavam dando tudo de si desde o primeiro segundo, e logo ficou claro que o show se tornaria intenso e insanamente caloroso. Ricko encerrou a música gritando “Nós somos JILUKA!” e incentivou as fãs a darem ainda mais de si, já que gritar estava liberado naquela noite. Então foi possível ouvir os gritos altos, como se não tivesse nem uma pessoa no lugar que não tivesse seguido as ordens de Ricko. JILUKA deu continuação à onda de Eletronic Gothic Metal com BLVCK. Durante a performance de BLVCK, Ricko ajoelhou-se para sorrir e cantar diretamente para as fãs que estavam à sua frente, enquanto Zyean tinha um sorriso enorme nos lábios ao mesmo tempo em que tocava com força sua bateria. “Shibuya! Nós estamos tendo um ótimo momento, obrigado a todos! Vamos nos divertir ainda mais! Libertem todos os seus sentimentos e mande-os pra gente… Quem aqui gosta de um corredor da morte?” Ricko perguntou à plateia, depois que a banda seguiu com Screamer e Eclipse. Não precisa nem dizer que a plateia respondeu com aplausos e gritos altos.

Photo: Lestat C&M Project

As fãs se dividiram em dois lados para criar um círculo no espaço, e assim que as primeiras batidas de SUZAKU soaram, pelo menos metade delas começaram a correr no circulo que tinha sido aberto, batendo umas nas outras quando se encontravam. O show energético continuou com Hellraiser e Faizh, durante a qual Sena brilhou com seu solo de guitarra melódico. Por fim, depois de tocar Mephisto, Ricko, Sena e Boogie saíram e deixaram o palco para Zyean, que então entregou um solo de bateria incrível e poderoso durante dez minutos inteiros, enquanto as luzes do palco mudavam de cor com cada batida. Os membros voltaram ao palco e Ricko, que estava claramente tão impressionado pelo solo de seu colega de banda quanto a plateia, perguntou “Shibuya! A vibe está realmente ótima hoje! Vocês estão se divertindo? Nós não temos um baterista incrível?”. A audiência estava totalmente empolgada quanto JILUKA continuou com uma favorita das fãs: BaLa-DeDa. O fato de que a banda estava se divertindo tanto quanto a plateia ficou ainda mais notável quando Sena começou a cantar a letra da música enquanto fazia o sinal do rock com as mãos várias vezes. As fãs não tiveram tempo para descansar, e fizeram headbang sem parar enquanto a JILUKA dava continuidade com Flux, durante o refrão da qual as fãs pegaram suas toalhas e balançaram no ar. Capturando a vibe calorosa do espaço, Ricko pontuou “Mesmo com a gente tocando tantas músicas pesadas, nunca é suficiente, né?! Nunca é suficiente, vocês não acham?” e a plateia que não parava de gritar claramente não poderia concordar mais.

Photo: Lestat C&M Project

A próxima música, KUMARI, uma das músicas mais icônicas do JILUKA, teve até mesmo Ricko fazendo headbang com as fãs. Mas durante o refrão dramático, o palco ficou coberto por luzes azuis, e as fãs ergueram as mãos, balançando no ritmo da música. Os membros seguiram tocando Lethal Affliction, Faceless e Ablaze na maior animação, usando o palco inteiro. Ricko correu do lado de Sena até o de Boogie no palco várias vezes para se apoiar nos ombros dos mesmos enquanto cantava para eles. “Shibuya, vocês estão se divertindo? A próxima música será a ultima. Agora nesse exato momento eu me sinto insanamente bem! Vocês também estão, né? O que vocês me dizem? Vocês não querem acabar com esse espaço junto com a gente? E então?!” Ricko aumentou ainda mais a animação das fãs, que aplaudiam, “Vamos lá! Vamos cuspir nossos cérebros e explodir nossas veias! Deem o máximo de vocês até que estejam mortos!” ele continuou e as fãs se dividiram em dois grupos novamente, abrindo um circulo no meio do espaço. JILUKA escolheu tocar seu novo single, OVERKILL, mais uma vez como ultima música, dessa vez com uma divisão de corredor da morte. O espaço estava quente como se tivesse pegando fogo quando os membros deixaram o palco. E as fãs imediatamente começaram a gritar por um encore.

Photo: Lestat C&M Project

“Não importa quantas vezes nós agradecemos a vocês, nunca vamos conseguir agradecer o suficiente!” Ricko cumprimentou a plateia depois que os membros entraram no palco novamente. “Tem uma coisa que eu gostaria de conversar a respeito com vocês. Um assunto totalmente diferente. Ontem eu estava tão animado pro show de hoje que pintei meu cabelo de vermelho novamente. Mas hoje eu estava suando tanto que a cor desceu pelo meu rosto e agora ele está todo vermelho!” ele explicou, fazendo as fãs rirem. JILUKA deu continuação tocando Ignite e Bloodshot, e a plateia pulou e aplaudiu no ritmo da batida durante as duas, fazendo o chão tremer enquanto Boogie levantou seu baixo com uma mão, dedilhando as cordas alto com a outra mão para mostrar suas habilidades a todos. Depois disso, Ricko pediu que os outros membros dessem algumas palavras para a plateia. Zyean começou, mas aparentemente sua voz não estava alta o suficiente pro gosto de Ricko. “Sua voz não está alta o suficiente!” ele gritou com o baterista, que respondeu com um “Sim, senhor!” antes de dirigir-se à audiência: “Obrigado por vir. Eu espero que vocês tenham se divertido muito. Eu não sou uma pessoa que sua muito normalmente, mas hoje… Hoje teve muito suor. Eu sinto como se fizesse um tempo desde que nós usamos tanta energia durante um show. Eu estou muito feliz que muitas pessoas vieram hoje. Por favor, torçam por nós de agora em diante também!”. O próximo foi Boogie e suas fãs, que estavam esperando de forma sedenta pelo momento do baixista falar algo, começaram a gritar seu nome freneticamente. “Obrigado! O one-man de hoje foi para comemorar o lançamento de OVERKILL. Nós começamos um novo tema com o lançamento de BLVCK e colocamos tudo que ganhamos com essa experiência em OVERKILL e evoluímos como banda. O show de hoje foi realmente ótimo, exceto algumas palavras do nosso vocalista infantil aqui”, ele riu, “Mas esse é exatamente o maior charme dele. Ele é como o personagem principal infantil de uma série que você quer acompanhar. Eu ficaria feliz se todos vocês acreditassem nele e, claro, na gente, e nos acompanhassem de agora em diante também”.

Photo: Lestat C&M Project

Depois de ser apontado por seu colega, Ricko aproveitou a oportunidade para continuar. “Eu sei que vocês não estão olhando uns para os outros de jeito nenhum, mas todos vocês tem uma expressão maravilhosa em seus rostos”, ele disse à plateia. “Vocês sabem como tem momentos na vida que te mudam? Cada vez que eu canto eu acredito que shows são momentos marcantes nas vidas das pessoas. A musica do JILUKA é pesada e nem todo mundo entende o que estamos fazendo. Nós somos como um circo, mas eu acredito nós somos a banda mais forte do Japão. Por favor, nos deem tudo de si de agora em diante também”. O último a falar foi o guitarrista, Sena: “Obrigado por vir. Faz um tempo desde a ultima vez que conseguimos fazer um show quase sem restrições como o de hoje. Hoje me fez perceber quanto tempo se passou. Três anos. Eu estou muito feliz que acreditei no que a gente estava fazendo por tanto tempo. Honestamente, houve várias chances de cair fora da cena musical, dadas as circunstâncias dos últimos três anos, que é o motivo pelo qual eu também quero agradecer muito por vocês terem acreditado na gente por tanto tempo e por nos seguirem até agora. Algumas pessoas devem achar que é idiota misturar metal, música eletrônica e música gótica, mas essa cena é o que torna isso possível. OVERKILL representa nossos sentimentos sobre a cena da música, sobre a situação atual. A cena musical já morreu por um tempo, mas renasceu, e o JILUKA também. Nos últimos 3 anos nós lançamos umas 20 músicas ou mais, e agora a hora dessas músicas ganharem vida e cores finalmente chegou. Nós vamos entregar pra vocês os shows mais poderosos de agora em diante, então por favor, aguardem por isso”.

Com essas palavras a banda deu continuação entregando mais uma performance poderosa de OVERKILL. Por fim, Boogie fez três anúncios: um show one-man no Shibuya clubasia, no dia 27 de abril; uma turnê one-man em setembro, com o encerramento no Shibuya O-WEST; e o maior show one-man do JILUKA até o momento, no Shijuku BLAZE, do dia 27 de abril de 2024. Para encerrar o show, os membros foram até a frente do palco, deram as mãos e pularam juntos com a plateia. Depois que os membros saíram do palco, ainda havia a sensação de que o palco estava pegando fogo. JILUKA definitivamente conseguiu quase destruir o Shinuya Kinmirai Kaikan aquela noite. A banda tocou por 2 horas e 30 minutos, quase sem intervalos ou baladas para que os membros e as fãs pudessem se acalmar. O show foi longo, e ainda assim muito poderoso do começo ao fim, e eu fiquei sem palavras assistindo-o. Foi meu primeiro show one-man do JILUKA e eu tenho que admitir que foi um dos mais poderosos, intensos e quentes que eu já tive a sorte de assistir. Esse show one-man cheio de gritos e vários momentos de corredor da morte me fez sentir aquela agitação de shows ao vivo antes da pandemia outra vez. É assim que shows ao vivo costumavam ser e espero que de agora em diante volte a ser também. Eu sinceramente espero que fãs estrangeiras da JILUKA tenham logo uma chance de ver sua banda favorita e vivenciar um de seus shows ao vivo, porque eles definitivamente têm potencial para mudar vidas.

Live Report: Tiffany
Translation: Amanda

JILUKA OFFICIALJILUKA OFFICIAL TWITTER
SpotifyApple Music

It would be great if you could support us with a small donation.
It might not be much for you, but it would help us providing more and better interviews in the future.
With a little bit of your support we might be able to realize even more!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s